Comunidade Nossa Senhora das Graças – Diaconia 06

diaconia 06

Com grande coragem os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus. Em todos eles era grande a graça. (At 4,33)”

O interessante na história das Diaconias é que algumas práticas, acontecimentos e nomes de pessoas se repetem, assim como acontece nos Evangelhos. Isso porque os primeiros evangelizadores davam testemunho de Jesus Cristo ressuscitado, assumindo com coragem os trabalhos, indo de um extremo ao outro do bairro, iniciando o povo na fé e formando as comunidades. Percebe-se que o retorno desse trabalho não foi imediato, foi necessário muita dedicação e perseverança, ao longo da caminhada. Muitas vezes houve desânimo, mas a graça do Senhor era grande e os impulsionava a continuar sempre em frente.

Foi com essa coragem que o trabalho de evangelização na Diaconia 06 teve início, por volta do ano de 1980, quando os jovens José Alcimar Araújo e Amílcar Soutelo da Silva ali estiveram realizando os encontros do Círculo Bíblico e Grupo de Jovens. Após visitas nas casas dos moradores, eles passaram a reunir o povo e, através dos encontros, as jovens Suely do Nascimento e Ednalva Costa Souza sentiram-se chamadas a continuar os trabalhos, formando os primeiros grupos de Catequese e assumindo o Círculo Bíblico e Grupo de Jovens da comunidade. Constituiu-se, assim, a primeira equipe de serviço da antiga Diaconia 03.

Em 1983 a diaconia já possuía uma equipe formada com um bom número de agentes: Maria do Carmo do Nascimento, Antonia Alencar e Joana Sarmento Tavares eram visitadoras dos enfermos; Salonice Fontes da Silva e Sônia Maria Ramos de Holanda coordenavam o grupo de jovens JUC – JOVENS UNIDOS EM CRISTO; Sebastiana Barbosa, Angelita Aprígio da Silva e Maria Madalena Ferreira da Silva eram as visitadoras do Dízimo; Telma Sarmento Dorzanio era catequista de Primeira Eucaristia e também dirigia, juntamente com Antonia, o Círculo Bíblico. Os trabalhos de evangelização tiveram um avanço nesse período.

Aproximadamente em 1986, Padre Sabino convidou o Sr. Antonio Santos da Silva para coordenar a Diaconia 03. Antonio prosseguiu acompanhando os trabalhos pastorais e permaneceu por 01 ano na coordenação, sendo substituído por Carlos Augusto Gomes dos Santos. Durante a sua gestão, Carlos recebeu, por algum tempo, apoio da equipe de serviço da Diaconia 10, que sob a coordenação de Amílcar Sotelo da Silva o ajudou na formação de novos grupos. O coordenador Carlos era considerado uma pessoa humilde, atuante e prestativa. Animava a comunidade, visitava os grupos e, durante um período em que a Crisma era descentralizada, tinha um trabalho em conjunto com o seminarista Marco Antonio Cardoso da Silva, agente da Diaconia 06 (atual 29) na animação dos crismandos. Carlos permaneceu na coordenação da Diaconia 03 por um período de 10 anos e faleceu no ano de 2001.

Assim como em todas as outras diaconias, os encontros e reuniões eram realizados nas casas dos moradores da comunidade, geralmente debaixo de árvores e ao ar livre. Não havia uma sede e, de certa forma, isso contribuía para que as pessoas se aproximassem e conhecessem melhor a realidade de cada um. Um dos locais mais utilizados e conhecidos era a casa da Mª Elena Matos, na Rua Gualter Batista.

Em 1997, a diaconia contou com a colaboração da Senhora Maria Valdisa Ferreira de Oliveira, que a pedido do Padre Sabino recebeu o apoio da assessora do Dízimo, Raimunda Maria Maquiné da Silva, na organização dos trabalhos pastorais. Valdisa foi uma pessoa importante para posse do terreno onde, anos depois, se construiria a capela da comunidade. Neste mesmo ano, a assessora Raimunda Maquiné entrou com um requerimento da Arquidiocese de Manaus solicitando à Prefeitura Municipal a doação de um terreno situado entre as Ruas Gualter Batista, Arnaldo Carpinteiro Peres e Thomaz Meireles. O terreno media 50m de largura por 100m de cumprimento e pertencia ao Patrimônio Municipal. O objetivo para aquisição do terreno era a futura construção da Capela de São Francisco de Assis e de um Centro Social Comunitário que ajudaria no desenvolvimento da evangelização das famílias e atenderia as pessoas carentes da área. Como houve demora na resposta do requerimento, uma parte do terreno foi invadida por alguns moradores locais e a outra parte transformada em campo de futebol.

Em novembro de 1998, cada diaconia passou a ter o nome de um Santo Padroeiro. Os coordenadores escolheram, de uma relação fornecida pelo Padre Sabino, o nome do Santo de sua diaconia. Para a diaconia 03, Valdisa escolheu Nossa Senhora das Graças, em substituição a São Francisco de Assis, e sonhava em construir uma capela para a santa, na diaconia.

Em Agosto do ano de 2000 houve uma reorganização geográfica da paróquia e algumas diaconias sofreram alterações nos seus limites e, conseqüentemente, no número de identificação. Foi neste ano que a Diaconia 03 passou a ser chamada Diaconia 06, Comunidade de Nossa Senhora das Graças.

A coordenadora Valdisa e a assessora Raimunda Maquiné permaneceram juntas, coordenando a Diaconia 06 durante os anos de 1997, 1998 e 1999. Quando deixou a coordenação, Valdisa foi substituída por Sebastião Gomes Farias, agente pastoral da Diaconia 10. Sebastião continuou as atividades pastorais com disposição e prosseguiu na animação dos grupos de base.

Em Novembro de 2000, quando o Sr. Sebastião pediu afastamento, Padre Sabino propôs às assessoras Mª Mirtes Lopes Ramos, da Pré Catequese e Suely de Souza Santana, da Liturgia que assumissem, temporariamente, a coordenação da Diaconia 06. Mirtes e Suely aceitaram e assumiram a missão com muita disposição e espírito de serviço. Começaram a revitalizar os grupos de base a partir do Grupo Ser Igreja no Novo Milênio. Timidamente as assessoras foram reunindo e formando novamente a comunidade e com o início da Catequese Familiar, outras pessoas foram se juntando.

Após, aproximadamente, um ano reorganizando a comunidade e conquistando novos agentes, a assessora Suely deixou a diaconia, sendo que a assessora Mirtes permaneceu e assumiu, oficialmente, a coordenação. Nesta época a equipe de serviço da Diaconia 06 era formada pelos agentes: Angelita Aprígio da Silva, Mª Valdisa Ferreira de Oliveira, Arlene Maricau da Rocha, José Ribamar Maricau da Rocha, Elizabeth Bastos, Sebastião Gomes da Silva e Mª Mirtes Lopes Ramos. Mais tarde juntou-se ao grupo Leda Naara, Ana Maria da Costa Nunes, Mª Elena Matos da Silva, Áurea Duarte dos Santos, Andreza da Silva Dorzanio, Waldenize Alves Batista, Eliene Alves de Souza, Jacilene de Souza Barros, Kelly Barbosa dos Santos, Rosemeire Nascimento, Tatiane Sarmento Guimarães e Greyciane Sarmento Guimarães. Alguns destes continuam firmes na caminhada, outros se afastaram, mudaram de endereço ou continuam apenas participando como membros da comunidade.

Em 2009 a equipe da Diaconia 06 estava composta pelos seguintes agentes pastorais: Mª Elena Matos da Silva (Pré Catequese), Ana Maria da Costa Nunes, Áurea Duarte dos Santos, Socorro Pereira Almeida e Francisca Nascimento de Souza (Pastoral do Dízimo), Maria das Dores Lima de Souza e Angelita Aprígio da Silva (Pastoral da Melhor Idade e da Saúde), Cíntia Mara Ferreira da Silva e Antonia Aprígio da Silva (Pastoral da Criança), Carlinson Maricau da Rocha (Pastoral do Adolescente), Jéssica Almeida de Souza (Pastoral da Juventude), Wemerson de Souza Ribeiro (Catequese Familiar) e Maria Mirtes Ramos Ribeiro (Coordenadora e Ministra da Palavra).

Por iniciativa da coordenadora Mirtes e do seu esposo Wemerson, em 2002, foi sugerido ao Padre Sabino que a paróquia iniciasse a construção da Capela de Nossa Senhora das Graças. Mirtes e Wemerson assumiram o compromisso de motivar e sensibilizar a comunidade para realização do projeto. A partir desse comprometimento, Pe. Sabino disponibilizou, enfim, o dinheiro para a construção da estrutura metálica e do telhado da capela. A comunidade então se organizou fazendo mutirões e promoções, como: café da manhã, arraiais, bingos e rifas. Buscou ajuda de pessoas e empresas e conseguiu a doação de tijolo, cimento, areia e outros materiais, tornando o local mais acessível e respeitado pelo povo.

Logo no início, ainda na época da assessora Raimunda Maquiné e da coordenadora Valdisa, houve muita resistência por parte de alguns moradores que não queriam a construção de uma capela, mas sim de uma área de lazer para os moradores da redondeza. Por esse motivo, um pequeno grupo se opôs à Igreja e, resistindo à iniciativa de transformar o local em um centro de evangelização, derrubou a cerca que delimitava o terreno. O cruzeiro que havia sido fincado, caracterizando que o terreno era da Igreja, também foi arrancado, causando grande indignação nos moradores da comunidade. Um clima tenso e de desarmonia se formou por causa dessa ação negativa, mas, aos poucos, com muita paciência, diálogo e bastante oração, a comunidade conseguiu atingir o seu objetivo e, em fins do ano de 2002, a Paróquia São Pedro Apóstolo tomou posse de metade da área que havia sido solicitada à Prefeitura, dando início à construção da capela de N. S. das Graças. Desde então todos os trabalhos pastorais da diaconia passaram a ser centralizados na capela.

Alguns momentos marcaram os trabalhos pastorais da Diaconia 06. A realização das Santas Missões Populares, em 2004, foi um desses momentos. Durante uma semana a comunidade participou de celebrações, caminhadas, atividades para crianças, idosos, jovens e adolescentes. Juntamente com as Diaconias 03 e 29 e com a presença do Padre Joaquim Hudson de Souza Ribeiro foi possível fazer uma semana intensa de atividades e com uma boa participação.

Outro momento marcante e de grande emoção foi a Visita Pastoral do Pároco, em maio de 2007, exatamente no ano em que o Padre Sabino foi transferido para a Catedral. A realização de Sacramentos para pessoas adultas como Confissões, Batismo, Primeira Eucaristia, Crisma e Matrimônio, aproximou ainda mais o povo da Igreja, alguns até se tornaram agentes pastorais, como foi o caso de Socorro P. Almeida, hoje agente do Dízimo.

Durante as Santas Missões, Pe. Hudson e a comunidade realizaram, como gesto concreto, um mutirão para transformar uma lixeira, que havia sido formada na frente da capela, em um jardim. Como a área era aberta e a capela situa-se na entrada de um beco, muitas pessoas jogavam seu lixo na parte da frente, desrespeitando o espaço sagrado. Por alguns anos a entrada da capela parecia um lixão a céu aberto e, de vez em quando, algum morador invadia o terreno, construindo casas e causando atritos com os membros da Equipe de Serviço. Em 2007, quando o Pe. Hudson foi empossado pároco da Paróquia São Pedro Apóstolo, o terreno da Diaconia 06 foi totalmente murado e a capela ganhou uma nova fachada mudando, definitivamente, a visão das pessoas em relação ao local. Atualmente há mais respeito pela Casa de Deus, a comunidade participa com mais freqüência das atividades e apóia as iniciativas da equipe de serviço.

Durante esses anos de caminhada, formou-se na Diaconia 06 um grupo consolidado e atuante. A rotatividade de agentes e a evasão diminuíram e houve um crescimento significativo na evangelização do povo nessa parte do bairro. Hoje já é possível colher frutos desse trabalho tão bonito e gratificante: crianças que fizeram sua 1ª Eucaristia se tornaram agentes pastorais; adultos que receberam o Sacramento do Matrimônio assumiram a missão de evangelizar; pessoas que eram indiferentes e passivas diante dos problemas da comunidade, agora ajudam através de doações, participando de mutirões, missas, celebrações, novenas, procissão e festejos em homenagem à santa, arraiais, café da manhã e outras atividades centralizadas na paróquia, e em todos eles é grande a graça de Deus. Ainda há muito o que realizar, mas a Equipe de Serviço sonha em tornar a Comunidade Nossa Senhora das Graças, Diaconia 06 em um centro de referência, tanto pastoral como social, e para isso continua firme, formando e educando o povo na fé através da união, participação, espírito cristão e na certeza de que faz parte de um projeto maior em prol da implantação do Reino de Deus entre nós.

Em 26 de fevereiro de 2012 tomaram posse, para um mandato de dois anos, os coordenadores Antonio de Oliveira Nicácio e Andréa Lopes Ramos da Silva.

Coordenações seguintes:

2014: Antonio de Oliveira Nicácio e Sebastião Gomes Faria

2015: Sebastião Gomes Faria

2016: Kelly Barbosa e Maria Helena Barreto da Silva